Sobre ADSE, privados e SNS: alguns pensamentos avulsos

30 09 2015

Por que razão os médicos convencionados com a ADSE não podem ser médicos de família? É que não pagamos pouco para a ADSE neste momento , penso até que a ADSE tem superavit folgado e vai servindo para tapar buracos. Ora se isso que proponho fosse uma possibilidade o sistema nacional de saúde estaria talvez mais racionalizado, ou não? É que eu só preciso dos HUC aqui em Coimbra em caso de especialidade mais rara, ou intervenção que só lá fazem. Não tenho interesse nenhum em entupir o sistema. Há também clínicas convencionadas e a custo razoável para o Estado. Qual é o problema em utilizar a capacidade instalada dos privados? Espero que o ministro P. Macedo continue e que arranje forma de racionalizar esta trapalhada. Também se dá o caso de muitas pessoas irem ao sistema público tendo seguros privados e depois apresentam a conta a quem??? Ao sistema público pois o que lhe pedem nos serviços administrativos é o número de utente! Tenham dó! “Concatenem” com a realidade. Há capacidade instalada para cobrir todos os portuguese e médicos também, só é preciso conseguir acordos interessantes para o Estado com esses privados.
Chamem-me nomes, mas estou numa de REALISMO, aliás desde 1996, ano em que defendi a tese de mestrado sobre sistemas de financiamento da saúde estudando o caso dos Países Baixos e o caso potuguês. Essa tese nunca foi entregue na Biblioteca Nacional, fui lá aqui há uns tempos entregar um exemplar da dissertação, pois em pesquisa não encontrei a dita e achei estranho pois forneci, salvo erro, cerca de 20 exemplares à FEUC. Disseram-me na B.N. que não aceitavam mestrados de Bolonha. Respondi que Bolonha ainda era só uma ameaça em 1996. Não sei se lá está no sistema informático, ainda não me deu para ir ver. Defendo um sistema misto, público e privado, um pouco na linha de Correia de Campos, um sistema como na Holanda, só que…. na Holanda mais de metade do sistema é privado sendo o acesso aos dois sistemas livre para todos. AH! E os serviços privados são instituições sem fins lucrativos; o que não quer dizer que não sejam instituições onde se paga a colaboradores e fornecedores a tempo e horas e se reserva fundo de poupança para modernização e investimento. Pelo menos era assim . Agora não sei se pelas terras baixas também já deram cabo do sistema de top que tinham. Mas não me parece.





Eu até que nem queria estar a falar de política, mas…

29 09 2015

Tenho assistido ao programa do Ricardo Araújo Pereira. Ao menos divirto-me, tanto mais que já me decidi. Dizer que este governo foi mauzinho, enfim, tudo bem, aceito, mas achar que nada fez de bom não posso concordar. Resta-me esperar que com a experiência adquirida Passos Coelho melhore e tenha entretanto percebido que o distanciamento dos criadores é um direito que lhe assiste. Foi , de facto, uma criação de muitos que em nada o prestigiam. Mas trabalhou como primeiro ministro, escolheu ministros, alguns bons. Insisto: o Ministro da Saúde é um bom ministro e, salvo erro, deve ter sido o primeiro a acabar o mandato. Espero que o reconduza. Também a da Justiça gostaria que continuasse. E mais importante do que tudo, que não haja alterações na Procuradoria Geral da República!!!!!
Assumo isto, se os meus amigos não gostarem, não é novidade nenhuma, se isso alterar a nossa relação é porque nada havia de amizade profunda. Estou preparada. Para isso e para assumir o que se seguir, não sou daquelas e daqueles que depois das borradas dos partidos em que votaram , dizem que nunca na vida votaram nesses partidos. Quanto à sustentabilidadade da dívida há que encará-la de frente e não gosto nada das promessas de devolução de dinheiro vindas de Passos Coelho. Aplique o excesso para apoio aos mais desfavorecidos, os sem abrigo sem ser por opção, por exemplo, porque muitos há que são sem abrigo por opção. Quanto ao retorno de emigrantes, brincamos? Os emigrantes, sobretudo com diploma já tomaram o gosto de ganhar bom dinheiro, não voltam tão cedo. Tenham juízo! Quanto à emigração para países da UE não acho que seja emigração. Sei que há muitos em Angola, Moçambique , Timor, Brasil, EUA. Isso sim já considero emigração. Sou europeísta convicta. Depois explicarei melhor o que isto quer dizer, pois há por aí muita confusão.
“Concatenem, amigas e amigos, concatenem”!





Hotspot e seus amigos em 2011. O tanque: evolução de um micro-ecosistema

27 09 2015

IMG_1118

Em 2011, quando os comprámos. Os pilgrim fathers como lhes chamei. Eram oito. Aqui se vê claramente “Hotspot”. O tanque estava apenas com rãs, umas plantas locais aquáticas que apodreciam facilmente e uma plantinha de nenúfar que tinhamos plantado nesse ano.

IMG_2015_05_21_4350

O tanque na atualidade. os peixes estão por baixo. Deixei sempre clareiras arrancando algumas folhas para que tivessem luz. Eles adoram esconder-se debaixo das folhas e as rãs adoram pousar nelas por tempo indeterminado.





Eutanasiar um peixe… o nosso

27 09 2015

Estou triste . Tive de eutanasiar o meu peixe dourado doente. Já o devia ter tirado hà mais tempo do tanque. Tinha hidropisia, acho eu, estava inchado parecia um balão. Para ele, ou ela, a transferência para o contentor de 50l com solução de terramicina foi demais. Durou três dias. Mas hoje ao final da tarde, estava já no fundo, virado ao contrário, o que para mim seria o sinal de acabar com o seu sofrimento. Apesar de já me ter preparado em relação à maneira de o fazer, sofri, estava muito nervosa pois nunca fiz isto. Como matei? Solução de álcool na água (cerca de 3 litros não era mais , meio frasco de álcoól) com pacinone e diazepan. Começou a respirar mais devagar durante algum tempo. Pareceu-me uma eternidade, mas acabou por parar de respirar. Enterro-o amanhã, para ter a certeza. Tudo isto me faz pensar na morte horrorosa que têm todos os peixes (que são dotados de cérebro e sistema nervoso central). Mas este era o nosso peixe, era um dos nossos peixes fundadores de nome “Hotspot”. É sempre triste uma despedida mesmo de um peixe. Os peixes dourados, em princípio, podem durar mais de 20 anos. Não sei o que vai acontecer ao outro que também tirei do tanque grande. Agora está sozinho no contentor-hospital , mas terei de me informar; este já é da segunda geração e estava muito menos inchado . O inchaço dos olhos desapareceu, só o da barriga ainda não.





Nada a registar de novo, infelizmente. E nada a fazer. Resta-nos rezar.

24 09 2015

Três factos dois parecidos outro bem diferente:

O stampeed do costume na peregrinação a Meca e Medina.
O ataque terrorista e genocida no Yemen, numa mesquita.

Espezinham-se uns aos outros como espezinham os valores da vida onde quer que estejam. Não , não os suporto. Eles , esta gente tão crente, tão islâmica (não sei mesmo já como os designar) respeitam alguém ou alguma coisa????

A fraude (nada costumeira, pelo menos tanto quanto sabíamos antes…) da Volkswagen.
O fim dos valores éticos na direção das empresas multinacionais ( e nas outras…). Uma das mais consideradas marcas de prestígio falseia de forma ao mesmo tempo grosseira e sofisticada os testes de emissões. Pensando em todos os desmandos desde a crise da Enron e do que se seguiu, os edge funds , pelo mundo inteiro e por cá, o BPN o BES, a PT , a CGD, o marquês….E faço a mesma pergunta: esta gente respeita alguém ou alguma coisa?

Fico preocupada , embora não altere nada aos factos. Quanto aos primeiros factos já não acrescento mais nada, tenho escrito de sobra aqui sobre essa gente.
Quanto à VW não entendo uma questão técnica mas em breve saberei junto de especialista da matéria. Os EUA não fazem testes aos gases propriamente ditos? Como se falseiam composições de gases através de software do próprio carro?????????? Tudo isto mete nojo e vai ter repercussões por cá em Palmela e não só.

Termino apenas com uma oração universal:
Deus único, iluminai os espíritos das gentes do mundo inteiro! Para a tolerância, para a honestidade, para os princípios da convivência democrática, para o respeito pelo outro pelas suas diferenças, para a compaixão.

Eliminai a ganância que degrada e espezinha tudo e todos.





Prós e contras sobre a crise dos refugiados

22 09 2015

Só uma pessoa do painel insistiu na questão essencial: a única mulher do painel, historiadora. Subscrevo inteiramente o que ela disse sobre a insanável diferença de visão do mundo e programa para o mesmo entre europeus ou o dito ocidente e o mundo islâmico. Realço que ela concorda com todo o apoio possível aos refugiados.

PS: neste post mais recente encontram o nome : Fátima Bonifácio bem como o link para o programa  de 21 deSetembro da RTP





Então já me chamaram nazi ou ainda não?

14 09 2015

O post anterior não era provocação a ver o que dava. Cada vez acho mais o que disse. Não aguento ver aqueles machos de mãos livres com o telemóvel e as mulheres a carregarem os filhos. E a usarem desde já o direito de opinião… trazem na mala a sharia, a suna, whatever, they bring a lot of shit in their male heads… um desprezo pelo país que os acolhe estampado na cara de muitos, mas posso ser eu a ver coisas, ando a ver coisas, calculem, isto já pode ser a loucura a ficar ainda pior ….