Charlie Parker e Dizzy Gillespie

26 05 2017

Acabei de ler o livro de Kerouac, Pela estrada fora – o rolo original (já fiz a referência completa em outro post.)
Um dia destes digo mais qualquer coisa sobre as minhas impressões durante a leitura do livro e depois… Por ora apenas um fundo sonoro. Nem sei se está bem escolhido. O referido livro tem apenas uma página onde são referidos vários nomes de músicos, já me esqueci qual era a página, sorry. De qualquer das formas, não sendo eu muito entusiasta de jazz, gosto desta música que escolhi e acho que é este o beat que atravessa a obra referida. Se me engano, não faz mal, enjoy!





O Verão em Maio?

23 05 2017

Bem, se for para chover em Agosto, não me importo. Agora ainda o terreno está húmido em profundidade. Em Agosto, se fizer o mesmo tempo do ano passado é a seca, o terror dos incêndios, não há paz. Por isso lamento desejar chuva em Agosto, pois sei que por exemplo os professores só podem gozar férias nesse mês.

Não gosto nada do Verão, nadinha. Qualquer coisinha que se faça fica-se a suar em bica. O Outono, Inverno e princípio da Primavera são as minhas  épocas preferidas.

O Verão tem uma vantagem grande, no entanto . Não se pode caçar!!!!!!!!!!!! Acho que na Primavera também não, felizmente!

Estou a tentar sobreviver a este calor. E não vou comentar o que aconteceu hoje em Manchester. Apenas lamentar profundamente.





O dia dos “F”s

17 05 2017

O sábado passado, o dos três “F”s atuais (Fátima, Futebol, Festival) foi sociologicamente interessante, ou talvez nem tanto.

Fátima e futebol, quer queiramos quer não, dividem, há muitos que têm raiva a Fátima, há muitos que falam do “ópio do povo”. Estes esquecem ou negam que o marxismo, água de que também bebi um dia, foi  durante gerações uma inebriante forma de encarar o mundo e de ter sempre razão, ou seja, teve contornos de religião e fanatismo e serviu de suporte a ditaduras ferozes e a violência no que foi e será sempre diferente de Fátima; sim , o regime de Salazar, a dada altura viu as potencialidades de Fátima como suporte ideológico à sua continuidade e explorou-a ao máximo, sim, vimos na TV , no sábado, um ou outro caso de histerismo (que a Igreja não acalenta, bem pelo contrário), mas foram casos isolados. Entretanto, nas redes sociais, muitas vozes mordiam Fátima , como que com raiva a quem acredita nas aparições , em Deus, nos milagres…  Sabemos e ninguém se atreve a negar que há uma maioria católica em Portugal , uns mais do que outros, mas a maioria é crente e considera-se cristã. Não fiz nenhum estudo , acho que devia ser feito para tirar dúvidas, mas … alguém duvida ???

Quanto ao Futebol,  esse é outra espécie de ópio ,  também gera ódios, promove o consumo de álcool e episódios de violência. Relembro: Fátima é Paz, não é ali que se constroem sentimentos de pertença a grupos, com a correspondente desconfiança em relação ao “outro”. Não é ali que se criticam os que “não crêem , não esperam e não amam (a Deus)”, reza-se por eles. Aqui estou a adivinhar o que se passa na mente de alguns leitores potenciais. Não , não me parece haver sentimento de superioridade moral, apenas a certeza de que esses estão mais sós do que os que crêem ,esperam e amam (a Deus)”, pelo menos é impressão que tenho do que vai na alma dos que cantam esta frase, em Fátima e não só, apesar de se pedir perdão a Deus pelos não crentes, o que para mim não faz sentido nenhum , pois crer não é um ato voluntário , é uma dádiva , algo que nos acontece e pode acontecer a todos em qualquer momento da vida, algo que se pode perder também. Voltando ao futebol, era a festa do Benfica. Também não foi feito  um estudo para saber se a esmagadora maioria se considera benfiquista. Mas, alguém duvida??? Eu não sou nem nunca fui de clube nenhum, habituei-me a ter simpatias que herdei de família pelo Sporting, mas agora com o Jesus e mais o presidente cuspidor , a simpatia está a esgotar-se. Mas o que é facto é que muitos não se revêem no Benfica. São de outros clubes que não ganharam o campeonato. Portanto e resumindo, o futebol divide.

E finalmente, ao fim do dia, pois os três Fs aconteceram todos no Sábado, o Festival uniu! Muitos continuaram a beber , mas por uma “boa” causa. E” Viva Portugal!”, veio então esse sentimento de pertença a uma entidade abstrata, a “Pátria”, mas não exatamente em oposição aos outros, embora muitos aproveitassem para zurzir nos outros, por cantarem em Inglês , por exemplo. Será o nacionalimo bacoco deixado por Salazar? Será , não tenho dúvidas, mas na juventude mais “letrada” e viajada sente-se outro tipo de atmosfera: aquela que o nosso Salvador conseguiu fomentar nos bastidores do festival europeu-asiático-australiano (?!) um espírito internacionalista confirmado pelo seu Inglês impecável na conferência de imprensa.

Portanto de novo juntos. Acabou tudo bem. Queriam milagre? Tivemos um pouco disso, pois houve uma conjunção de fatores que fizeram aquela canção ganhar o festival. Isto digo eu que não percebo nada de música, embora tenha reconhecido imediatamente a influência Bossa Nova na canção vencedora que ouvi completa pela primeira vez no direto do festival. A  interpretação com alma, a  voz , a simpatia do Salvador , a canção simples e suave, com algum conteúdo (não muito, convenhamos) a apresentação sem efeitos especiais (de facto , “os fireworks”não faltaram na maioria das outras canções e o rapaz teve coragem ao dizer o que disse na conferência de imprensa). Uma Europa farta do “mais do mesmo”, inclinada a votar em algo fora do “sistema” , “out of the box”, foi determinante, na minha opinião. Milagre foi a conjunção de todos estes fatores e o sentimento de “comunidade portuguesa” pacificada , ao fim do dia!





Fátima: um conselho

12 05 2017

Não vou fazer nenhum comentário longo sobre o fenómeno Fé, Fátima, peregrinação. Só quero dizer que quem diz por aí que Fátima não tem nada a ver com fé deveria aproveitar para se calar por momentos, desligar o rádio , a TV, o mp3 ou mpx , o tablóide, androide ou smart phone, dar uma volta a pé num sítio ermo de preferência, sozinho de preferência, de noite de preferência e aproveitar para se calar profundamente. Talvez ouça Deus, de uma forma ou de outra, acho que Deus tem muitas estradas de Santiago, pelas quais passamos na vida e escapam-se-nos os sinais , mesmo que eles lá estejam bem claros. Se não se calar nunca ouvirá nada nem perceberá Fatima nem o mundo nem a si próprio. Tudo isto até pode ser feito em casa se tiver um momento para refletir sozinho olhando o céu ou apenas imaginando-o, mas sem ruído físico ou interior, refletir não é falar sozinho , é pensar em nada, fazer silêncio interno, entregar-se ao todo infinito que o rodeia quer queira quer não, pode ser que assim entenda algo do que se passa em Fatima. Talvez até pense que talvez haja mesmo Deus e que talvez a visão dos pastorinhos não seja um cozinhado do capitalismo (aqui é ignorância histórica) que talvez a visão e mesmo uma mensagem tenha sido enviada por Deus, qual foi depende das interpretações e ainda bem. Silêncio interior será que consegue? Tenho as minhas dúvidas. Os budistas chamam-lhe meditação, que é precisamente não pensar em nada, apenas no universo e sentir-se parte dele, uma ínfima parte mas mesmo assim, uma parte importante dele. Procurar o seu eu verdadeiro passa por sair dele. E não esquecer que tudo o que fazemos ou dizemos e até o que pensamos tem consequências … sobretudo para nós, muito mais do que para os outros, mas também para eles.





Briefing : a agonia do frigorífico e mais … da Teka

11 05 2017

O frigorífico da Teka, afinal, está mesmo moribundo. Ou seja, depois de 120 euros de despesa, a avaria foi declarada inviável… pois, já sei, o tubo que está roto não está acessível. Realmente o que eu vejo atrás são placas de um material que parece ser esferovite coberta de autocolante. Apetece esventrá-lo, mas , como a parte de baixo do combinado continua a funcionar em pleno eu desisti de perceber. Encomendámos outro on line da Bosch. Pois faço publicidade negativa ou positiva quando me apetece, de graça. O que é certo é que não vou comprar mais nada na casa que me vendeu estes dois eletrodomésticos. Quais dois? Pois, o outro é a máquina de lavar louça. Teka. Foi para a oficina pois o aspersor de baixo não rodava e repararam a válvula, 73 euros: um tempo depois o aspersor de cima deixou de funcionar. O frigorífico está a 12 graus lá dentro. Não é possível desligar a parte de frigorífico e deixar o congelador a funcionar. Bem, não vou deitá-lo no lixo, a congeladora dá jeito e há fruta e legumes que até gostam dos doze graus. Mas vai ficar no descanso pois não quero dois frigoríficos debaixo do telheiro, onde está o velho Balay (cerca de vinte anos ou mais, motor Bosch, dois compressores, está ao abrigo da chuva, mas não do calor e do frio e funciona mesmo, bato na madeira…). Por isso decidimos pelo Bosch. Este do telheiro, da Balay, só tem ferrugem no exterior pois a pintura espanhola não é maravilha ( a ferrugem está igual ao que estava quando ele morava no apartamento, não se deve ao facto de estar debaixo de um telheiro, note-se). Pensei mesmo pintá-lo de azul e promovê-lo à cozinha, mas não sei pintar eletrodomésticos e, afinal ele é a tal redundância de que eu gosto , não vá o diabo tecê-las. O avariado , de três anos, irá descansar por uns tempos na casa velha que comprámos para futuro restauro, ficará na cave. Não há eletricidade nessa casa. Se o roubarem levam um rica prenda. Pode acontecer, nunca comprem eletrodomésticos em segunda mão é meu conselho, pode estar avariado ou ter sido roubado. Estes dois aparelhos foram comprados novinhos em folha. Portanto, Teka nunca mais. Vou repetindo. Lamento mas seria bem melhor que a Bosch investisse em Portugal e os fizéssemos cá. Quando comprei estes da Teka disseram-me que eram cá fabricados e os de cá eram bons. Está-se a ver a bondade. Não sei como se vai portar o Bosch que há-de vir. Bem, já pagámos , no email diziam sete dias para a entrega, tenhamos esperança de que chegue rápido, pois estou fartinha de ir lá fora guardar coisas e tirar coisas do frigorífico. E prontos , por agora é tudo quanto à saga da Teka (que seka , não é?).
Só dizer que estou no livro terceiro do “Pela estrada fora” do Kerouac. O livro terceiro, como o segundo, aparece no meio do texto sem parágrafo , apenas com maiúsculas e continua no ponto anterior ou quase . Que posso dizer? Doidos varridos! Bem , continuo a ler com interesse , sobretudo por querer saber o que vai acontecer ao Neal e ao Jack. Interessante o fenómeno de identificação do(a) leitor(a), estou a ler e a imaginar-me ser um deles , não delas, pois aí, o autor e os amigos são todos machos (e machistas embora não saibam que são) ,as mulheres são … nem sei como explicar, enfim, é melhor ler. A identificação como o narrador, comigo, é um processo automático, pois não queria nem por sombras ser um deles. Não sei se se passa isto com toda a gente, é possível.





Presidenciais em França e a UE …

9 05 2017

Não vou analisar o que não sei, deixo isso para os nossos especialistas em tudo. Só deixar algumas linhas de reflexão e fazer um esclarecimento que se impõe. Primeiro quero reafirmar o que já disse no face : o referendo que a Marine queria está feito: a França votou a favor da continuação na Europa. Não me venham com histórias de que a esquerda votou em Macron e foi por medo da Marine. Sim a esquerda sem dúvida, mas a direita também votou, ou seja, todos aqueles que imediatamente se pronunciaram a favor do voto em Macron. Os outros que apelaram à abstenção e ficaram em casa (alguns de certo estiveram a preparar a manif de pressão contra a flexibilidade no mercado de trabalho de Macron) deixando o seu país correr o risco maior deste século vêm agora dizer que a esquerda votou? Qual esquerda? E mais não digo porque não sei. Não me venham com histórias de que a França votou contra Marine e não a favor de Macron. Ambos foram clarissimos no seu programa e ainda bem. A maioria qualificada é uma maioria constitucional aqui no burgo, em França não sei. A grande asneira do referendo no RU foi não se ter pensado que a decisão, se não tinha contornos constitucionais, andava lá muito perto. Uma maioria qualificada resolveria o problema e não tinhamos um Brexit feito em cima do joelho. Mas isto sou eu a dizer umas coisas. Não gosto de perguntas de sim ou não . Sempre embirrei com isso, seja qual for o assunto.
Só esclarecer um pormenor: quando aqui há tempos, por altura dos ataques terroristas em Paris, fiz um post em que subscrevia os comentários de Marine, não expliquei que acaba aí o meu acordo com a dita senhora. Pois concordei com o reforço de controle de fronteiras naquela altura, com certeza. Concordei eu e em teoria todos, pois foi decretado o estado de emergência por Hollande, Marine não estava no poder. Que é preciso saber o que se diz nas mesquitas, também concordei. Mas é mesmo só isso. Depois acabam as concordâncias. Discordo totalmente do resto do bull shit que não tem outro nome o programa daquela coisa chamada Front National. Reafirmo que sou europeísta e defendo uma federação (feita de forma progressiva). Para que a comissão não resulte do mundo dos negócios e provenha do voto popular. O presidente , porta voz da Europa, devia ser eleito de forma direta. O parlamento deveria ser aligeirado- agora é uma multidão e pouco fazem ,ninguém os controla, estão em roda livre. Os deputados respondem perante os seus eleitores…. deixem-me rir. Se o poder ou parte importante dele se tranferisse dos parlamentos nacionais para o parlamento europeu (federal) talvez houvesse mais interesse por parte dos eleitores e dos partidos. Outra questão: não reunem sempre no mesmo sítio porquê? Andam de um lado para outro porquê? Para gastarem de forma inútil o nosso dinheiro? Todos aceitaríamos que funcionasse nalgum lado de forma permanente desde que o seu trabalho fosse transparente e eficiente e não uma forma de ganhar bom dinheiro e de afastar inimigos da cena política dos países de onde vêm. Portanto, defendo isso mesmo, que sejam eleitos os melhores, o que significa que um dia no futuro talvez fosse possível votarmos em determinada pessoa para o parlamento europeu mesmo que não fosse do nosso país. Por que não? O parlamento europeu pode entretanto ser reforçado nos seus poderes de controle da comissão. Quanto ao conselho , bem, isso já seria difícil, mas por que razão não responderia de forma regular como colégio também perante o parlamento europeu?
Pronto, acabei. Estas são apenas algumas linhas de reflexão que proponho, mais nada.





Pois , aquilo de ontem não ter posto aspas….”foi de propósito”

5 05 2017

Aquilo de ontem sobre o dragão e os morcegos tem dono. Não coloquei referência intencionalmente , pois isto de dragões atrai muita gente e assim o meu blogue pode crescer um pouco na audiência pois anda anorético. E esta , hem?

Ou seja, parece que agora só não é plágio quando é intencional (????!!!!). Ora acho que deveria ser o inverso. Plágio é plágio e é sempre intencional, mas às vezes é só ignorância. A Marine Le Pen diz que foi de propósito. Bem, pior um pouco, não será? Copiou parte do discurso que era interessante diz ela. Pois , também acho, ela e Fillon são quase farinha do mesmo saco. Mas plágio é plágio.

Bem , aqui fica a referência relativa ao dragão e morcegos no sótão (adoro esta imagem, é mesmo isso, passa-se com muito boa gente e nada tem a ver com futebol):
KEROUAC, Jack, Pela estrada fora (o rolo original), p.134, Relógio d’Água, Versão portuguesa de 2011

A frase é uma citação de um amigo ( aqui para nós e até agora- pois vou a meio do livro – Allen Anson pareceu-me o mais “normal” ou “sensato” dos loucos amigos do não muito menos louco autor). Pois é , não é revisitação, nunca tinha lido este livro, mesmo na versão anterior e li recentemente Tristessa, a obra que Kerouac considerava a melhor. Tudo por causa do Murakami em Sputnik, meu amor. Note-se que a geração beat é a geração do meu pai que nunca foi beat na vida, tinha mais que fazer. Kerouac nasceu em 1922 e meu pai em 1923. Kerouac foi um dos mitos das gerações seguintes, sobretudo por ter morrido aos 47. Com cirrose. Desperdício sem dúvida, pois é incrível que eu esteja a ler sempre com interesse um texto denso e corrido sem parágrafos que parece interminável. Fiz um print do mapa dos States , para me orientar :-).