J. S. Bach – Cantata 147 – Jesus bleibet meine freude

26 03 2009

Seguindo a onda de margotlorena. Com os instrumentos originais e texto em Alemão e tradução em Castelhano.





Saudando a Primavera e a memória de meu pai

23 03 2009

Em Vale de Corvos, sem internet, não foi possível celebrar o 21 de Março com um post, mas o dia foi passado em contacto com a natureza e com a terra, tratando da porção que nos foi, por assim dizer, confiada para dela cuidarmos. Gosto de pensar assim relativamente à propriedade privada de terras. Enquanto for nosso esse chão sagrado e estivermos vivos no planeta, devemos “cuidar” dele e preservá-lo. Era essa a filosofia de meu pai. Procuramos, depois dele, e tanto quanto podemos, continuar a sua obra (e missão), enquanto foi vivo.

Dia da árvore e da poesia. Dia do nascimento de meu pai.
Um dia de sol radioso. De explosão de vida.
Foi celebrado da melhor forma.





Mozart – Requiem – Lacrimosa

18 03 2009

Procurando uma vivência de Quaresma. Me desculpem aqueles que não gostam deste Mozart pesado e contrito.





Gordon Brown, Sócrates e Vital Moreira

17 03 2009

“Aceito toda a responsabilidade pelas minhas acções, mas acho que estamos a lidar com um problema maior que é tanto de natureza global, como nacional”, afirmou o chefe do Governo britânico. “Talvez há dez anos, depois de a crise económica asiática, quando outros países pensaram que estes problemas tinham desaparecido, devêssemos ter sido mais duros”.

Ler mais

 Sócrates poderia, talvez,  aprender com isto.

Vital Moreira: ” No nosso modelo, os deputados são responsáveis não perante os eleitores, mas sim perante os partidos que os propõem.”

(O Público só deixa o artigo disponível aos assinantes.)

Se isso é mesmo a verdadeira interpretação da Constituição, então  o “nosso modelo” é o quê exactamente? Uma democracia? Não deveria ser antes uma partidocracia? Será assim também  no parlamento europeu? Se assim é, qual a utilidade de serem publicadas as listas de candidatos a deputados de cada partido? Se é ainda verdade a afirmação que li ou ouvi na tv  que informava que já houve mais mudanças de deputados do que o número total dos mesmos, então as listas não servem para nada, seriam conhecidas depois das eleições e o poveco  escolhia o partido apenas conhecendo o líder, como aliás acontece, uma vez que, sobretudo nas legislativas, muito poucos eleitores se dedicam ao trabalho de ver os nomes das listas. Temos, de facto, e pelos vistos, de direito, um regime que me parece (assim de repente e leiga que sou no direito constitucional e administrativo) muito pouco democrático, sendo os deputados reduzidos ao papel de claques do partido ou repetidores obedientes e atentos a “their master’s voice” (sem ofensa para os deputados nem para os cães).

his-masters-voice





Público: Bartoon

17 03 2009

bartoon-15-marco





J.S. Bach: Mass in B minor “Agnus Dei” – Andreas Scholl

17 03 2009

Hoje a voz de Scholl em solo. Estes sons a justificarem o nome do blog. Esta obra e esta voz transportam-nos para uma dimensão onde simplesmente desaparecem ou são inaudíveis e insignificantes os ruídos de estática provenientes das DREs e da DREN, da DGRHE e do ME, do CCAP ,do CE e da Confap e de outras fontes mais disseminadas. Pluf! Não existem simplesmente.





Yo-Yo Ma: Elgar Cello Concerto, 1st mvmt e a memória de Jacqueline du Pré

15 03 2009

Wikipédia sobre Elgar

Wikipedia sobre Jacqueline du Pré

Não sei se Yo Yo Ma está a tocar com o Stradivarius que Jacqueline lhe ofereceu. Faria sentido.





Andreas Scholl, Purcell e Fiat uno

14 03 2009


O meu contratenor preferido cantando “Sound the trumpet ” de Purcell para comemorar não sei bem o quê, qualquer coisa. Pode ser, por exemplo, o roubo do meu velhinho fiat uno de 88 e sua recuperação feito num 8, quase transformado num smart for 2.
Espero que os criativos tenham ficado com um torcicolo depois do rear crash test. Mas é melhor não entrar em ondas negativas… só que hoje não estou ainda numa de mantras.





White Tara Mantra

14 03 2009

«[…]Her hair is dark blue, bound up at the back of her neck at the back with long tresses hanging down; her breasts are full; she is adorned with divers precious ornaments, her blouse is of vari-colored silk, and her robes are of red silk, the palms of her hand and the soles of her feet each have an eye, making up the seven eyes of knowledge; she sits straight and firm upon the circle of the moon, her legs crossed in the diamond posture.”

[This description (Beyer 379) from the beginning of her sadhana is included as characteristic of the details in texts used as a basis for tantric visualizations. We remind the reader that in a Buddhist sadhana, the practitioner is not really worshipping a goddess since the image is his or her own self imagined as a deity.]
[…]

White Tara is referred to as “Mother of all the Buddhas.” This is because she embodies the motivation that is compassion. Her whiteness “Radiant as the eternal snows in all their glory” is indicative of the selflessness — the purity — of this compassion but especially the undifferentiated Truth of the Dharma.

Her seven eyes stand for her perception of suffering that is apparent (the two we normally have,) that is psychological/spiritual (the one in her forehead,) and that is inherent in activity (in her palms,) and in what is usually considered as progress (in her soles.)

Talvez por ser sexta feira 13 e lua cheia, achei por bem propor este mantra para afastar energias negativas que por aí andam…

E não me apetece comentar os 200 mil na rua, já todos os titulares da argumentação disseram o que pensavam. Estou um pouco entediada com esses comentários e até com as minhas próprias alegações irrelevantes e previsões falhadas, uma vez que afinal terei que admitir que lá tenham estado muitos profs.
Fica o mantra para afastar demónios reencarnados ou não, que os há, mesmo para quem não acredita neles…

OM. TARE TUTARE TURE. MAMA AYUR PUNYE JNANA PUSHTIM KURU, SWAHA





«Selig sind, die da Leid tragen», Ein Deutsches Requiem- Johannes Brahms

12 03 2009

Selig sind, die da Leid tragen denn sie sollen getröstet werden.
Die mit Tränen säen, werden mit Freuden ernten.
Sie gehen hin und weinen und tragen edlen Samen, und kommen mit Freuden und bringen ihre Garben.

Blessed are they that mourn: for they shall be comforted.
They that sow in tears shall reap in joy.
They that go forth and weep, bearing precious seed, shall doubtless come again with rejoicing, bringing their sheaves with them.