Trabalho urgente a fazer: desambiguações

20 07 2021

Desambiguar o nome de meu pai Cecílio Gomes da Silva e de meu tio Rui Gomes da Silva, pois as pesquisas google dão resultados que podem ser muito enganosos. Meu pai aparece , assim como os títulos dos seus livros de etnografia madeirense publicados postumamente pela Textiverso.

Nem penso muito no meu nome, mas irrita um pouco saber que a minha homónima no Brasil anda com vários processos e o homónimo de meu pai também. Não temos qualquer relação nem de perto nem de longe com os tais dos processos 🙂 no Brasil. Tenho primos em São Paulo, mas não são aqueles.

Quanto ao meu tio Rui, no google só é mencionado até à náusea o advogado (antigo político) do futebol, que nada tem a ver com a minha família. O nome do meu tio Rui só é referido se digitarmos “Centro Freira da Madeira Dr Rui Silva”. Deixo o link Centro Freira da Madeira Dr. Rui Silva, ou se digitarmos “Dr Rui Silva montanhismo” , deixo também o link (20+) Históricos da Montanha Portugal – Publicações | Facebook

Quanto ao meu nome, o meu blogue não aparece associado. Nada de admirar, este blogue começou anónimo, depois desvendei, mas não associei a autoria de forma a que o google reconheça, aparece “maisk3d” e já é bom. Continuarei assim até ver… Como ilustradora uso Carmo Van Damme, que aparece no google graças à minha colaboração com a editora Textiverso.

PS Já agora, desambiguando, o meu pseudónimo artístico “Carmo Van Damme” vem do meu companheiro Sylvain Van Damme, não do famoso ator (que aliás não se chama Van Damme, mas Jean-Claude Camille François Van Varenberg).





Enxurradas na Europa do Norte e Central (atualizei o post anterior)

16 07 2021

Com esta chamada:

Concluiu-se, pelas notícias, que os alemães também podem morrer pelas enxurradas e , quanto à Holanda e Bélgica (onde já morreram alguns) ainda não vimos tudo, pois a jusante vão juntar-se os rios, felizmente não há maré viva nesta altura, pois se assim fosse, os famosos “Delta Werken” iriam mostrar os seus limites. A natureza avisa, avisa, mas a surdez é generalizada, a ganância fala sempre mais alto. Soluções? Leiam o “sonho ” de meu pai do post anterior. Leiam com atenção. Solução definitiva não há , dado o que está a acontecer ao clima, mas pode-se mitigar, produzindo menos carne, devolvendo a pradaria à floresta, deixando o Reno (que se desdobra em vários rios com nomes diferentes) e o Mosa alagar terrenos onde não deve haver construção, ou seja só a construção flutuante ou sobre estacas que já se faz em alguns lados…

Quanto aos titânicos Delta Werken ver este link onde são mencionados os 2 mil que morreram nos Países Baixos nas cheias de 1953.





Voltaram as vagas de calor e não só, tudo menos silly season

16 07 2021

Ou seja, terei de retomar as rotinas adequadas à “season” , ir várias vezes por dia aos sites do prociv e do IPMA. Regar de manhã. Evitar sair à hora mais quente, a não ser quando há compras a fazer no supermercado e a hora ideal é mesmo essa , ente as 15 e as 16 horas 😦 …..

Como habitual, o tempo simétrico aconteceu na Europa do Norte e Central. Mas desta vez foi pior. Os Holandeses estão habituados aos perigos da água, o respeito por ela é a história do seu país. Mas isto que lá aconteceu costuma ser no inverno, não em Julho. Nos anos anteriores queixaram-se da seca, não tinham água para os animais, as culturas perdiam-se. Enfim, não tratem do problema climático a nível global , deixem tudo como está que está bem, avançamos a bom passo para o ponto de não retorno, mas ainda se discutem as tricas entre partidos …

Na Holanda (!) , mataram em pleno dia, recentemente, alguém que investigava mafias…..

Por cá não é preciso matar , basta garantir que haja juízes “à maneira”. Por lá , a justiça deve ainda funcionar, é o que deduzo.

A silly season parece ter-se cansado de conversa da treta, no entanto, por cá, dá-se bem, a silly e a conversa da treta.

Nota (!) (fica exclamação , pois perdi o asterisco, o meu computador é alemão 🙂 não tenho paciência para ir procurar): Devia dizer “Reino dos Países Baixos”, pois esse é o nome oficial do país, mas rendo-me à referência habitual entre nós.

PS: concluiu-se pelas notícias que os alemães também podem morrer pelas enxurradas e , quanto à Holanda e Bélgica ainda não vimos tudo, pois a jusante vão juntar-se os rios, felizmente não há maré viva nesta altura, pois se assim fosse, os famosos “Delta Werken” iriam mostrar os seus limites. A natureza avisa, avisa, mas a surdez é generalizada, a ganância fala sempre mais alto. Soluções? Leiam o “sonho ” de meu pai do post anterior. Leiam com atenção. Solução definitiva não há , dado o que está a acontecer ao clima, mas pode-se mitigar, produzindo menos carne, devolvendo a pradaria à floresta, deixando o Reno e o Mosa alagar terrenos onde não deve haver construção, ou seja só a construção flutuante que já se faz em alguns lados…..





Para quem quiser ler de novo o artigo de Cecílio Gomes da Silva “Eu tive um sonho”

30 06 2021

O artigo profético sobre as cheias na Madeira, de meu pai, Engenheiro silvicultor, Cecílio Gomes da Silva, intitulado “Eu tive um sonho” tem sido consultado aqui , mas o ficheiro que alguns consultam está muito mal digitalizado.

Assim devem consultar este link

eu-tive-um-sonho-de-eng-cecilio-gomes-da-silva.pdf (wordpress.com) ou ambio: Eu tive um sonho

Relembro que o primeiro sonho concretizou-se quase ao pormenor em 2010(1), meu pai faleceu em 2005, não chegou a ver o seu pesadelo materializado. Quanto ao segundo sonho? Não sei, mas devem saber os Madeirenses, como estão as serras vizinhas do Funchal?

(1) Foi menos grave diz quem esteve lá, pois foi , mas o fenómeno, as ribeiras envolvidas e o percurso delas, foi assim como está descrito, ou não? Como está o leito dessas ribeiras?





Cruzadas quixotescas

30 06 2021

É o que sinto hoje, nem vou dizer exatamente porquê. As minhas cruzadas…. A parede de silêncio quando se fala de celuloses…. ou eucalipto. As verdades não se podem dizer em plataforma nenhuma ,mesmo quando a “plataforma” se define quase de forma inequívoca contra a dominância da dita árvore… ou podem, mas servem exatamente para quê ? Para nada, faz-se uma catarse , mas muito contida, não vão os senhores engenheiros das celuloses estar por ali … acho que de pouco valem as web reuniões ou lá como se chamam. Eu aposto nas ZIF , aí está o povo real, aquele que tem eucaliptos mas sabe muito bem como arde o eucalipto, aquele que andou sem apoio de bombeiros a tentar combater o dragão , a tentar defender pessoas, animais, propriedades, empresa, casas, ou só a tentar escapar com vida àquilo que chamam agora de “tsunami de fogo” de 15 -16 de outubro de 2017, como se de uma catástrofe natural se tratasse. Havia vento fortíssimo e 39 graus celcius de temperatura , é verdade, mas o combustível foi o eucaliptal contínuo que torna qualquer fogo em fogo de copa , imparável, pegando aos pinheiros que ainda existiam aqui e ali, também bons combustíveis e foi o que alguns viram, alguns, reforço a ideia, pois não viu , não cheirou ,não sentiu quem estava na segurança do betão das metrópoles…… Bombeiros eram poucos, pois a inteligência que nos governava então, ou seja, COSTA, desmobilizou os bombeiros por ser outubro!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Esses pequenos proprietários, muitos viram as suas quintas e casas ardidas e também os seus eucaliptais e temeram pela vida, muitos queimaram-se mesmo, outros morreram. Esses proprietários sobreviventes são os que podem alterar a nossa mancha florestal, pois são ainda proprietários e cerca de 98% da nossa dita floresta está nas mãos de privados. E há condições psicológicas e sociológicas para uma reconversão da floresta, mas são precisos apoios que as ZIF podem proporcionar através de candidaturas aos fundos…. Não tenho já esperança em que algum governo altere definitivamente a nossa mancha florestal, pois os lobbies da fileira do papel são amigos dos partidos do arco do poder. Todos os partidos, incluindo a esquerda , pois só isso explica este silêncio quando se fala no tema eucalipto em regime de talhadia. Não tenho idade nem paciência para esta forma de encarar as coisas. É a falar que nos entendemos, ou já não é? Aqui no blogue ao menos posso ir “falando”, só lê quem quer e posso fazer textos tão longos quanto quiser, pois não se pode ser contra isto ou aquilo só porque sim, ou porque não, há que argumentar e isso leva tempo , em 8 minutos não se conseguem condensar os dados necessários quanto mais os argumentos, portanto as reuniões são sempre limitadas. As decisões das ZIF são tomadas em assembleia , com divulgação prévia de documentos a aprovar. Por isso, acho , até prova em contrário que talvez por aí se consiga reverter a tendência que por inércia se anuncia: o mar de eucaliptos desde o oceano até Espanha , sobretudo a norte do Tejo, mas também a sul, lembram-se do fogo de Monchique ou já foi esquecido? Eu não me esqueço até porque a frase de Cristas , esse expoente da agricultura, me ficou gravada na memória: “Então não estão a ver que o sobreiro também arde como o eucalipto? ” disse ela aos jornalistas. Pois aqui na minha propriedade foi a fiada de velhos sobreiros que travou a subida do fogo até às casas em 2005. Cada vez é mais fácil qualquer ignorante ser ministro da agricultura e florestas!!!!!!!!!!!! O que lá está agora não conheço, mas deve ser mais discreto que aquela senhora, não sei o que pensa da floresta, nem que amigos tem nas celuloses. O que sei é que o mar de eucaliptos ardidos em 2017 está recuperado e já vai a uma altura de 3 andares, prontinhos para o próximo festival!!!!!!!!!!!!

Só algo de preocupante: alguns membros das ZIF são empresas de celulose…..

Silêncio, pois o tema é fraturante……. 🙂





Concurso externo 21/22

23 06 2021

Estamos em junho e ainda não está disponível a manifestação de preferências. Se demoram este tempo todo, por que razão não podem os candidatos registar o tempo de serviço à data do concurso? Há candidatos que estão a concorrer sem tempode serviço e já leccionam há 9 meses, neste momento. Há algum momento em que se possa atualizar a candidatura nestes tempos digitais? Que eu saiba não há, ou seja na altura da colocação dois candidatos com a mesma nota de profissionalização , um com muitos dias de serviço e o outro sem dias de serviço são considerados iguais, pior, o desempate faz-se pela idade!!!!!!!! Isto é assim ou sou eu que não estou informada?





Sem título, chame-lhe o leitor o que lhe parecer melhor

22 06 2021

Segundo estudo do Observatório Social da Fundação “la Caixa”, da autoria do Center of Economics for Prosperity (PROSPER) da Universidade Católica de Lisboa, 400 mil novos casos foram acrescentados aos números da pobreza em Portugal devido à pandemia.

Trata-se obretudo de população com menos de 9 anos de escolaridade O estudo sugere que, antes da pandemia, esses indivíduos já estariam próximos do limiar da pobreza. O Algarve é mencionado como o mais atingido pela crise.

Temos um país dependente de monoproduções , pelos vistos. Tiramos-lhes o turismo e fica tudo sem saber o que fazer. Não li o plano de resiliência , mas , pelo que ouvi, não sei se haverá muito para investir na educação.

O Banco de Portugal alertou para um inflacionamento das avaliações das casas e apartamentos…. Isto não tem nada a ver? Tem, por vários motivos. Os empréstimos à doida continuam, com financiamentos que não têm por base garantias. Comprar casa quando não se sabe onde e se se trabalha amanhã não é decisão sustentável, vamos ter crédito mal parado, mais do mesmo que já sabemos. A outra razão tem a ver com o facto de a construção ter disparado, a procura de casas no interior também, o que tem efeito boomerang. Para comprar um casa no interior que valoriza devido à procura, não se vai vender ao desbarato a que se tem na cidade, por isso não baixam os preços , mas o que é mais impressionante é saber que, numa situação de crise de desemprego como a que temos, não se consegue encontrar quem construa ou reconstrua, está tudo ocupado a construir. Tudo? Aqueles, poucos, que são construtores, os empresários e os trabalhadores…. Pois é, somos todos muito finos, mesmo os que nem o nono tiraram acham que trabalhar na construção neste país é para o imigrante lourinho ou escurinho e preferem ir morrer na construção em outro país qualquer que pague melhor… e quem fica lamenta-se… ou não , mas deixa-se ir para a dita pobreza sem ao menos colocar a hipótese de tirar um curso no centro de emprego ou numa escola que os ofereça financiada pela UE, desses que dão para a construção… são trabalhadores da restauração e hotelaria, logo são muito finos para reconverter em downgrade, no imaginário de muitos…. já agora, poderiam ao menos trabalhar na “restauração” ou “restauro” das muitas casitas a cair por esse país fora? Seria mais ou menos o mesmo ramo :-)…..

A escola oficial? Nem quero dizer o que me passa pela cabeça, mas gostaria muito de que alguém fizesse um estudo sério sobre os cursos profissionais que a escola pública oferece, sua empregabilidade e já agora , seu custo , para sabermos , não apenas se o dinheiro dos contribuintes (com o apoio dos fundos europeus) está a ser bem gasto, mas também se , de facto , a educação é apenas uma despesa como gostam os governos de fazer crer sobretudo quando os profissionais da educação reivindicam qualquer coisinha, ou se é um investimento na geração que se segue.

Se acharem que todos temos o direito de ser doutores , eu concordo. Na parte da oportunidade para ser. Mas o que se tem feito por aí , é quase isto: nasceu, logo , é doutor. E mais não digo pois não é meu interlocutor quem é da esquerda igualitária e estúpida. Cansei-me. Evito conversar sobre estes temas com esses, infelizmente, encontro-os ainda a dominar as escolas, sei o que me vão dizer, não se vão dar ao trabalho de pensar. Está tudo tão bem no mundinho onde vivem, é tão fácil culpar este e aquele de todos os males e os tadinhos tadinhos continuarão a ser tadinhos tadinhos, com a diferença de que se tivessem tido outro tipo de discurso, se calhar viam a realidade a tempo de reconverter em vez de estar a perder tempo a fazer cursinhos idiotas que servem para manter os horários de muita gente. . . e esta verdadezinha está bem escondida por baixo das toneladas de discursos muito bem intencionados. Mais nem vou dizer, que já disse muito. Muito ? Não é muito , não. Eu já disse isto em outras ocasiões, neste blogue, mas hoje, ao ler a notícia sobre o estudo referido, apeteceu-me voltar ao tema.

A desindustrialização de Portugal continua, aliás , a par da que vai acontecendo na Europa… mas isso é para outro post.

Tudo gente fina.





O verão chegou mesmo

11 06 2021

Se ao menos as temperaturas se mantivessem assim a rondar os 30 graus C, seria suportável. Começa a ser necessário regar. As costas protestam, embora o exercício útil seja mesmo o melhor. Continuo a achar que se poupa muito no ginásio quando se tem uma quinta com sempre algo para fazer. Desde que não haja fumo, até que sabe bem o tempo quente e os dias longos. No entanto, eu continuo a preferir os dias que vão encurtando, ou seja prefiro que junho passe , depois progressivamente o sol vai queimar menos horas até ao equinócio de outono. Prometi a mim mesma não estar sempre a desejar o outono , a minha estação preferida, pois isso não é bom, chega o outono e depois o inverno e mais um ano na conta da idade…. Por isso, o ideal seria um tempo alternado, com chuvinha de quando em vez durante o verão. Pois, mas nas alturas certas e nada de granizadas.

Não tenho tema , por isso escrevo sobre o tempo. Enfim , eu até tenho tema , mas não vale a pena alongar-me sobre a pressa com que estão a querer julgar os arguidos da operação marquês, antes de o tribunal da relação se pronunciar sobre o recurso do ministério público às sentenças branqueadoras do Ivo. Temos um povo que está habituado a comer a m…. que lhe dão e há muitos que, em outra proporção, já fizeram parecido , outros que até admiram a esperteza saloia, sendo assim que hei-de fazer? Nada vejo que esteja ao meu alcance, pois se estivesse já teria feito.





O face e os grupinhos de “vida selvagem”

24 05 2021

Pronto , lá tive de sair do grupo das aves de Portugal Continental. O tema do gato que dá voltinhas é sempre fraturante. O meu gato vai continuar livre, sim!!!!!!!!!! Se conseguirem uma lei que proíba, podem contar com a população de colónias multiplicada por 100 , as pessoas vão simplesmente abandonar. Estou tão farta de gente que só vê o seu umbigo. Fartinha! Uma praga de ratos é o que lhes desejo, mais nada, os das aves & aves querem , não disseram, mas esteve quase, pois comparavam, não sei como nem porquê, com as matilhas de cães assilvestrados e os ataques a rebanhos, saí antes que dissessem que se poderiam matar os gatos e cães assilvestrados a tiro… o que lhes permitiria matar também o meu gatinho apesar da coleira e do GPS. Isto faz-me mal. Gentalha que aposto que tem ratoeiras para os ratos ou pior, veneno na segunda ou terceira casa, a de campo e a de praia!!

Cancelei também os envios de emails do face com conversas dos grupos de onde saí, nomeadamente esse, o das aves de Portugal Continental. Estão preocupadíssimos com os gatos domésticos darem voltinhas e caçarem aves, mas não os preocupa o território estar coberto por eucaliptos. Já experimentaram ir a uma plantação de eucaliptos? Ouvem passarinhos? Só se for uma velha plantação abandonada, com eucalitpos muito velhos e sub-bosque de outras espécies, é possível, mas raríssimo, até porque as que havia arderam…. claro, para eles, os fogos não matam os passarinhos, os eucaliptos não reduzem drasticamente o habitat das aves ( e de toda a vida selvagem), isso já não os preocupa, os gatos domésticos e suas voltinhas é que são o problema, devem ter plantações de onde retiram milhares de euros, portanto, não convém falar disso, as voltinhas dos gatos, isso é que é o problema , no entender dessa gente. Ignorantes mesmo, as aves evoluiram com o gato doméstico e mesmo com o gato selvagem e chegaram até nós, antes de enchermos o país de eucalitptos. O gato bravo anda muito desaparecido, já não há avistamentos pelo menos por aqui. As colónias são problema, concordo, mas as associações estão a esterilizar e devolver ao sítio onde os capturaram, ora, os tais das aves acham isso um promenor insignificante…. os gatos das colónias estarem impossibilitados de procriar e portanto, de se multiplicar é pormenor????? A introdução do gato doméstico nos novos continentes pode ter sido muito destruidora, sem dúvida, pois os animais suas presas não evoluiram com esse predador, mas isso não acontece na Eurásia e em África. O caso das nossas ilhas será semelhante ao dos “novos” continentes. A fauna que foi encontrada quando do “descobrimento” não conhece o gato como predador, verdade. Mas atiram com esse problema à cara das pessoas e generalizam para o continente…. enfim, é discussão que não tem solução, pois juro que não vou aprisionar o meu gato enquanto viver aqui numa casa térrea rodeada de natureza, tenham paciência, mas o que faço pelas aves , protegendo a floresta nativa nas minhas propriedades compensa largamente, o pássaro que o meu gato de vez em quando caça, aliás, ultimamente, depois de lhe ter colocado GPS, nunca mais me trouxe nenhum pássaro, o aparelho é branco e muito visível, deve dificultar a caça de aves, não de ratos, isso é um ou dois todos os dias. Aqui à volta todos têm gato ninguém põe veneno de ratos, por isso o ecossistema está aqui em equilíbrio. O que deixei de ver são os coelhos, e não me venham dizer que foram os gatos. Foram as plantações de eucaliptos a cobrir mais de 80% do concelho , as doenças e os caçadores. Falta alimento aos predadores selvagens, que são do tamanho ou maiores que um gato, por isso atacam galinheiros não devidamente protegidos. Os omnívoros como a raposa vão-se safando, mas os outros não, são cada vez mais raros e também são alvo de caça, como é a raposa a quem culpam de todos os ataques.





Mudando de assunto…

8 05 2021

Já levei a vacina… uuupss isto é o mesmo assunto. Já mudo de tema, só dizer que até agora, não tenho sintoma nenhum de gripe ou trombose, salvo seja. Bem , pelas minhas contas vou poder , quando acabar o post, fumar o meu cigarro número 343 mil e qualquer coisita…. portanto, agradeço a Deus ter-me dado essa oportunidade. Pois pela estatística dos efeitos (causais verificados) do tabaco na mortalidade tinha alta probabilidade de já cá não estar e muito menos a escrever estes disparates…. ou outros …

Mudando de assunto, se há coisa mais certa é que não vou ficar cá eternamente e estou naquela situação e idade em que já dá para perceber que haverá muita coisinha que ficará por fazer… cada vez percebo menos os que se eternizam no emprego, tirando lugar aos jovens, pela simples razão de que não sabem o que hão-de fazer depois da data fatídica da reforma!!!! A verdade é que gostaria de poder estar como estou agora por muitos mais aninhos e poder fazer tudo o que tenho em mente. Enfim, disparates, realmente…. , hoje deu-me para isto, já sei o que pode passar pela cabeça de algum leitor dos poucos regulares que tenho… não, não foi nenhum coágulo, sou assim normalmente.