Je suis António!

30 04 2019

António considera “preocupante” e “um espetáculo triste” decisão do The New York Times de retirar cartoon

 

Não uso o tweet , aquilo irritou-me desde o início, mas seria bom haver alguma reação da parte pelo menos dos leitores do Expresso, não? O nome do António circula pelos tweets como se fosse um nazi. Por favor!

Aqui está: Sulzberger é judeu. Primeiro publicas sem autorização do autor da caricatura, depois retiras e pedes desculpa ao Trump e ao bibi Netanyahu. E vergonha na cara não há mesmo? Bem, para mim o NYT acabou , pelas razões opostas às do Trump.

Há, portanto, povos que se sentem acima de todos os outros que podem ser ridicularizados pelos diversos jornalistas, cartoonistas e realizadores de cinema judeus, mas eles, israelitas ninguém os pode criticar. Bem , o Zuckerberg é judeu? Estou feita, lá me vai bloquear outra vez, agora por outra razão. Fui já ver, é mesmo, mas diz-se ateu…. enfim , isto da religião é o que menos interessa, a menos que em nome dela se façam crimes hediondos. Por sinal o que tem feito Israel aos Palestinianos, criando forte e permanente instabilidade no médio oriente com o apoio dos EUA de Trump ( e dos outros antes dele, diga-se em abono da verdade) e servindo de alibi para outros crimes hediondos de terroristas abjetos pelo mundo inteiro, bem como contribuindo para o florescimento do negócio das armas que vai bem e recomenda-se.

Infelizmente não sou caricaturista, pois faria uma versão do cartoon para o Barroso. Desatualizada talvez , mas provaria o conteúdo lusófobo, anti-deficientes visuais , antifeminista, anti finlandês, especista. Sugiro um cão identificado com o escudo português na coleira, um cherne na boca, um casaquinho de cão a dizer Goldman Sachs ,a cara de Barroso, uma comissão europeia ceguinha (comissão é uma palavra feminina por isso deveria ser uma mulher) com mamas à vista, mas com a cara de Olli Rehn dos assuntos financeiros, com boné português (ou finlandês) a dizer também Goldman Sachs (pois este Rehn passou entre os intervalos da chuva , eu não acredito que não tenha também colaborado com esse banco). Quanto à raça do cão deixo à imaginação do leitor.

Anúncios




E uma lei a proibir a venda de ácido a não profissionais não há porquê?

29 04 2019

Hoje tentei comprar calda bordalesa na cooperativa local. Pediram-me o cartão de aplicador, explicaram que tinha de fazer formação. Pois.

Até posso concordar com o princípio, no entanto, continuo a ver garrafas de litro de ácido clorídrico (há quem lhe chame muriático) e até em  garrafões de 5 litros. Calculo que não se tenha de fazer  qualquer formação para regar a namorada ou namorado, ou a mulher ou o marido com o produto. No entanto , posso regar uma pessoa com calda bordalesa (já dissolvida na proporção de 500 gramas por 100 litros, claro está), é mau, mas ela tem tempo de chegar a casa e tomar um duche. Com o ácido ela morrerá devagar e a água não ajudará em nada, mesmo no hospital têm dificuldades em neutralizar a ação continuada desse produto. Houve em Portugal há alguns anos um caso de morte de um rapaz, na zona de Leiria , nunca mais me esquecerei pois a irmã dele era minha aluna.

E já agora uma leizita europeia a proibir o plantio de eucaliptos?





Junta tudo no mesmo saco?

28 04 2019

Tenho , de forma sistemática partilhado no facebook artigos de Guinote, sobretudo os referentes à luta dos professores e à geringonça. Hoje , lamentavelmente , a propósito das eleições em Espanha , aquele autor mete no mesmo saco o PAN, junto com todos os outros partidinhos populistas que surgem ou por necessidades de circunstância ou fundados por oportunistas políticos. Não vejo nenhum oportunismo no deputado do PAN , não lhe conheço nenhum discurso simplista ou oportunista e a referência à defesa musculada dos direitos dos animais, se eu fosse o dito deputado pedia contas. O que significa tal coisa? Terá resistido a alguma investida de algum cavaleiro conhecido das nossas praças que gosta de investir sobre pessoas sentadas à frente da praça de touros, como fez há alguns anos e ainda não existia nenhum PAN? Se aconteceu algo musculado contra esse cavaleiro , muito gostava de ver as imagens , pois o tal cavaleiro ficou impune e adoraria que um dia  afocinhasse no chão, sem que o cavalo saísse magoado. O deputado do PAN fez no 25 de Abril um discurso de defesa do planeta que mais ninguém referiu, o que prova que ainda ninguém percebeu que a nossa casa mãe Terra, enquanto nossa casa, tem os dias contados. Ou melhor, nós, enquanto espécie , temos os dias contados. Pessoas com filhos deveriam ser bem mais ativas pela defesa do planeta, mas em Portugal , país de novos ricos , o que os incomoda mesmo é o preço do combustível fóssil, o resto, logo se verá. Quem verá sei eu quem são : os filhos deles e os filhos dos filhos deles. As gerações de 70, 80 e 90 (estes têm agora entre os trinta e os 40 , não vão dizer que não foram avisados, ou vão?) vão um dia ter de prestar contas, ou seja, a História contará como foi criminosa a sua negligência.

Não quero provocar polémicas idiotas , não coloco nenhum link. Não podemos concordar todos com tudo , é normal , e respeito a opinião do autor , mas reservo-me o direito de ter outra e de defender a minha causa se a vejo atacada. Não pertenço ao partido, pois tenho aversão a partidos , mas acho que os militantes do PAN têm feito bom trabalho, na globalidade.

Vou votar PAN ainda mais convencida do que estava.





What is Upaj

27 04 2019




Bliz sobre José Afonso

26 04 2019

BLIZ, no MSN , João Bonifácio, “A história de um homem que não conhecemos tão bem como julgamos. Os amigos chamavam-lhe Zeca.”

Também aqui neste texto parece confirmar-se que era um ser humano e não um deus. Pouco sabia sobre a pessoa, fiquei a saber um pouco mais com este texto , mas sei que, quando era jovem, me apaixonei pela voz e pela música que ele compunha com letras encriptadas durante o antigo regime, tornando-as universais, “literárias” como muito bem alguém diz no texto. As posteriores ao 25 de Abril deixaram de o ser, com algumas exceções, como “Utopia” (pois não menciona o nome da cidade).

O texto reune apontamentos sobre o homem que toda a esquerda chama seu, embora não tenha sido , não senhor. Não me esqueço de como o PCP o foi tratando durante o PREC: “esquerdista”, “radical”, “divisionista”… Todos me diziam na época que o “primo Convexo”  da canção era o PC.  Tornou-se um ícon da Revolução, com tudo o que isso comporta de bom e de mau. Muitos ainda lhe têm pó, sobretudo os que se acham de direita, mas isso meus senhores é herança de um regime horrendo que definhou Portugal : o regime de Salazar e Caetano. Um regime que, para além dos crimes políticos de sangue e tortura que cometeu , da fome que produziu e manteve com todas as consequências para a saúde e mortalidades consequentes, da fraca escolarização e da guerra colonial, deixou ainda para durar muito tempo a marca do maniqueísmo em todos os que o vivemos. Um maniqueísmo que passamos a duas novas gerações se as medirmos por décadas. Penso que a geração de Ricardo Araújo Pereira já estará mais livre para considerar o mundo a cores ou em escala de cinzas e não a preto e branco, mas ainda apresenta umas marcas disso. Um mundo da política dos “maus” e dos “bons”, dos “anjos” e dos “diabos”,  já não o compram os mileniuns nos quais deposito muita esperança: os que nasceram com o milenium ou muito perto dele. Não considero mileniuns os que já têm 30 anos, santa paciência. O que eles sabem, os Milénios ou miléniuns ( deveria ser milenia não é?, bem deixemos o latim, já perceberam a quem me refiro), o que eles sabem bem é que receberam um mundo esgotado, ameaçado na sua viabilidade enquanto planeta portador de vida inteligente, com um ponto de não retorno marcado para 2030. Sabem isso, acho que pensam  que podem mudar , mas a mudança implica uma revolução no estilo de vida….não sei se todos sabem disso, sei que alguns já começaram a praticar a mudança. Por falar nisto, como eu previa, no dia 25 de Abril, o PAN foi o único que falou sobre o planeta, com veemência. Gostei. Os Verdes, como para picar o ponto do ambiente,  lá referiram a excessiva eucaliptação e a sustentabilidade, mas muito de fugida. No discurso do PAN o planeta foi central. Por isso, já decidi o meu votinho, como já disse.  Sobre o discurso dos outros abstenho-me de dizer o que quer que seja.

 





Dia internacional do livro

23 04 2019

Como hoje é o dia internacional do livro, a ele , livro e seus autores , dedico os meus pensamentos. Espero que se confirmem as notícias sobre o renascimento  do interesse pelo livro em papel , depois de uma forte redução devida à evolução tecnológica associada ao digital. Li muito , menos do que gostaria, espero ter ainda tempo para ler muito mais.

Como foi o primeiro livro que ilustrei  sob pseudónimo Carmo Van Damme, aqui fica o link para o  livro Vamos lá fora ser? de Rita Basílio e Cristina Salvador, 2010, Textiverso. 

Uma obra a não perder, independentemente de qualquer ilustração. Embora seja um livro de literatura  “infantil/juvenil”, em qualquer idade o podemos apreciar .





Onde , quem , quando?

22 04 2019

Tenho de partilhar isto agora , pois acho que estamos na época do vale tudo, até inventar, estou a ouvir os Prós e Contras sobre o 25 de Abril: Vasco Lourenço deveria ter dito claramente quem no governo de Pedro Passos Coelho disse que tudo o que tivesse a ver com Abril deveria ser destruído. Pedro Passos Coelho defende a democracia e a economia de mercado. Como poderá ter dito tal coisa? Acham incompatível a democracia com a economia de mercado?? Então acham que a nossa Constituição deveria toda ir para o lixo. Isso é defender Abril? Deus nos ajude com esta nova brigada do reumático! Mas eu quero saber se há algum fundo de verdade. Alguém pode ajudar? Quero saber, quem disse exatamente o quê, onde e quando.

E mais acrescento que foi patética a participação de Otelo no programa “Governo Sombra”. Fiquei a saber que se safou bem, fiquei a saber que não contou nadinha do que se passou de facto no 25 de Novembro, eu era uma miúda com 20 anos, mas deu para perceber que não foi como ele disse, fiquei a saber que não respeitou a farda entrando naquele filme idiota que nem sabia que existia. Triste e feliz por meu pai não ter assistido a nada disto. Feliz por ter vivido o suficiente para poder renegar em tempo útil toda uma forma de pensar que continha em si , não apenas a semente, mas todo um programa para acabar com todas as liberdades e tornar a dita revolução de Abril num banho de sangue, numa guerra civil que nem quero imaginar, mas que esteve por um fio para acontecer. Espero que um dia haja historiadores da História como ciência e não como  palimpsestos de faits divers contados de forma doutoral que expliquem como foi que tudo se passou nessa noite, a de 24 de Novembro!!!!!!!!!!!!!!!!