Vou sabendo notícias pelo “governo sombra”

1 07 2019

Pois é isso mesmo, recuso-me a ouvir as notícias dos canais ao serviço da campanha eleitoral do Costa, o que me deixa poucas alternativas. Assim, através dos humoristas vou sabendo umas coisas. Não sabia da última do Rio, destruindo o legado de Paula Teixeira da Cruz a propósito da luta dos magistrados do ministério público. Pois é, vou votar mesmo PAN, assim nem mesmo o meu voto útil vou entregar ao PSD. Acho até que o partido já não perde nada em convocar eleições internas ou congresso (não sei como funciona exatamente). Este líder já mostrou que é apenas um Costa 2…. acho mesmo que ele também seria capaz de fazer uma espécie de geringonça (com os mesmos, ou seja PCP e Bloco) , uma vez que não se assume como social democrata , como liberal, não se assume à direita, não se assume em nada. Não têm mesmo ninguém que vá a tempo de salvar as legislativas? Um líder interino, qualquer coisa , mas mostrar que estão a querer mudar seria bom. Claro que o PS iria dizer o que é de prever, que eles nem se entendem lá dentro e propõem-se governar o país. Outra forma seria o Rio alterar completamente a sua postura, o que me parece ainda menos verosímil. Mas isso é lá com eles.

Seria muito bom que as pessoas que se abstiveram nas europeias (ou votaram nulo) aqui no distrito de Coimbra fossem votar PAN, metia-se um deputado à vontade. O Bloco está a apropriar-se de um capital eleitoral que não lhe pertence: as preocupações com o ambiente que cada vez captam mais pessoas. Elas votam bloco pois mal conhecem o PAN que se deveria afirmar como ecologista definitivamente, pois colocar o tema do planeta na agenda é o que o PAN tem em comum com os verdes europeus que (na maioria) têm a sorte de não terem touradas, pois é gente mais evoluída…( bem , com algumas reticências: há as Ilhas Faroe e a matança (por ser tradição) de cetáceos um dia por ano numa orgia de sangue  inadmissível ). Em Portugal há muitos temas ambientais a abordar com  firmeza: a eucaliptação, a recuperação da floresta nativa ,os pesticidas e herbicidas, a poluição de ar e rios pelas celuloses e não só. Há muitos temas e nenhum deles é incompatível com a luta pelos direitos dos animais que mais nenhum partido político defende a não ser no café e nas redes sociais quando convém . Nas campanhas todos os partidos mandam umas bocas a respeito do ambiente para picar o ponto (devem rir-se em privado desta necessidade estratégica) .

Está decidido, gostaria que entrasse um deputado por Coimbra ,para ver se há maior pressão para que a floresta seja reconvertida aqui no eucaliptal interior a que chamam “Pinhal Interior”. Mesmo que não entre  nenhum deputado , pelo menos conta para a percentagem nacional que tem sempre um peso de legitimação do Partido.

Anúncios