Da quase inutilidade de escrever na “rede” e o que é verdadeiramente essencial

15 07 2016

Escrever aqui está cada vez mais a ser apenas um escape de fúrias. Não conheço os meus leitores, são poucos aliás. Apenas um blogue se identifica quando aqui vem : “Lebução de Valpaços”, um blogue sereno e refrescante. Fica o agradecimento a esse meu leitor regular.

Porque há experiências reais na vida que nada têm a ver com o mundo falso , hipócrita e artificial das redes sociais , que nos fazem redimensionar tudo. Assim, desde sábado passado que tem sido mais claro distinguir entre o essencial e o acessório, entre o que realmente pesa na minha vida e o que não tem importância de qualquer espécie.
Por isso tudo , acho que não irei perder muito tempo nem no face nem no blogue. No face, já decidi há muito não discutir política, não comentar o que quer que seja de política , sejam as notícias sobre Portugal ou outros países. Abro excepção para situações como ataques terroristas, mas apenas para manifestar solidariedade.
Há alguns dias decidi também não discutir futebol no face. Ficam assim, a ciência, a arte, a defesa dos animais, as maravilhas da Natureza, o humor saudável e pouco mais. Isto, no facebook.
Aqui não vou estabelecer que não discuto isto ou aquilo, como é óbvio, só lerá quem quiser, uma vez que têm de cá vir para ler. No face vai rolando toda a espécie de comentários que às vezes é impossível não ler, a não ser bloqueando.

Tenho muito a fazer na atmosfera, na companhia dos que amo e me amam, enquanto me ou lhes for dado por Deus por cá andarmos.

Anúncios




Nice : já não há palavras

15 07 2016

Não tenho mais comentários e as palavras são sempre não adequadas nestas ocasiões.
Copio apenas a minha foto do face, para que saibam que desde ontem à noite sou francesa.
imagem de perfil do face

Só um esclarecimento:
Por que não fiz o mesmo quando da Turquia? Porque não me revejo na língua dupla, no jogo duplo dos responsáveis daquele país. Lamento as mortes mas a bandeira turca lamento, mas não me revejo nela. Quanto ao Iraque, lamento também mas, desde há muitos anos que morrem aí, a um ritmo de pelo menos 30 por dia , às mãos da outra seita islâmica, ou seja, quando não são os xiitas são os sunitas, por isso já fiquei quase anestesiada, e sempre e cada vez mais perdendo o respeito pelo Islão, lamento dizê-lo, pois, da forma como está hoje o Islão, parece-me fomentar o ódio mais do que o amor, digam o que disserem os ditos moderados. Digam o que disserem os especialistas em tudo e todos… especialistas dos quais a maioria, aposto, nunca leu uma linha do Corão.