8 de Fevereiro: Google a lembrar J. Verne

8 02 2011

Passagem por Lisboa, apontamentos retirados da biografia no site JVerne em português :

Ramalho Ortigão fez saber a Verne que Eça de Queiroz (1845-1900), uma figura do maior prestígio nas letras portuguesas, no seu célebre romance “O Mandarim” teria feito a descrição da cidade de Pequim, e da China, baseando-se em elementos colhidos da leitura de “Atribulações de um chinês na China. Outro conviva foi o célebre pintor Columbano Bordalo Pinheiro, que lhe ofereceu, um esplêndido prato de louça das Caldas da Rainha, representando um lagarto e outros animais. Esta curta estadia inspirou Rafael Bordalo Pinheiro que, no seu famoso e mordaz jornal “António Maria” do dia 29 de Maio, apresentou a caricatura de Júlio Verne ao tamanho da página, acompanhada do seguinte texto:

“Júlio Verne o ilustre escriptor francêz, chegou a Lisboa, jantou com David Corazzi e com outros convidados d’aquelle editor, entre elles este seu creado e foi-se. Só andando com esta pressa, póde fazer viagens à Lua no tempo que qualquer gasta em ir à Porcalhota (antigo nome da Amadora) comer coelho guisado. Que tanto elle como seu irmão Paul, façam boa viagem aos antípodas em 1 hora e ¾ e que se voltarem a Lisboa se demorem mais um bocadinho para lhe mostrarmos o jardim da Europa à beira mar plantado.”

Autor que li com muito prazer, embora espaçadamente, que os livros eram caros. Tinha um bom argumento para justificar o investimento de meus pais: eram comprados em Francês ( para a consolidação do conhecimento da língua).  O meu Francês melhorou bastante mas  a leitura de grande parte da sua obra foi bem mais do que isso, levou-me com entusiasmo ao mundo inteiro e arredores, na idade certa.

Anúncios