Tratado de Lisboa: hino, símbolos e o poder da sonoridade

2 06 2009


Do site de Carlos Coelho sobre a União Europeia:
Embora no texto do TL não tenha ficado nenhuma referência aos símbolos (ao contrário do que estabelecia o Tratado Constitucional), um conjunto de 16 países da UE, entre os quais Portugal, manifestam numa declaração às disposições do Tratado que consideram “a bandeira constituída por um círculo de doze estrelas douradas sobre fundo azul, o hino extraído do ‘Hino à Alegria’ da Nona Sinfonia de Ludwig van Beethoven, o lema ‘Unida na diversidade’, o euro enquanto moeda da União Europeia e o Dia da Europa em 9 de Maio” como símbolos do vínculo comum dos cidadãos à União Europeia e dos laços que os ligam a esta.

Se quiser ver esta declaração assinada por 16 Estados-Membros  clique aqui.

Antes de tirarem conclusões precipitadas sobre esta citação de Carlos Coelho, devo dizer apenas que o site  foi aquele que no google aparece mais bem posicionado sobre questões acerca do tratado de Lisboa.

Fiz a busca na net pois tinha a impressão de que o hino iria ser banido. Como o PS fez do hino da UE a sua principal música de campanha eleitoral, fica aqui o esclarecimento de que todos os partidos podem usar a mesma música e infelizmente não estão a usar. Será por ser em Alemão? Porque toda a parte final da nona ( que inclui o Hino à Alegria) foi concuída e orquestrada por Karajan?  Não sei, mas tenho para mim que o fundo musical tem uma força muito maior do que alguns pensam e os sons do Hino à Alegria, mesmo sem se entender patavina, até mesmo para quem não ouve (não esquecer a surdês severa de Beethoven), têm a sua vibração forte… Os homens do marketing do PS sabem isso. Aliás, em termos de competência neste governo, o trabalho de marketing tem sido de 4 estrelas (não dou cinco pois algumas encenações e operetas tiveram efeito boomerang, por exemplo a do “Magalhães”…).
Como para provar o que estou a dizer, o trabalhador mandado pelo senhorio -do tal apartamento que aluguei por 600 euros e que irá transformar o meu rendimento no mesmo que teria se me reformasse em janeiro de 2010- enviado, dizia eu, para substituir uma torneira do século XIX por uma mais actual (devo acrescentar que o dito senhor acompanha o trabalho com músicas populares assobiadas), assim que ouviu este som do you tube no meu computador (embora estivesse bem baixo o som) continuou a assobiar o tema principal…. Não me chamem paternalista ou coisa parecida. É que o som da música “clássica” ,dita erudita, de erudita só tem a execução, nunca a fruição. Claro que estou a incluir todos os períodos musicais anteriores à música contemporânea dodecafónica,concreta ou experimental ruidosa que actualmente está muito na moda. Essa é “erudita” também na audição, deve ser mesmo, já que eu não a entendo e tenho-lhe mesmo aversão. Prefiro “heavy metal” e outros assim da “pesada”, pelo menos têm aqui e ali, para além do ruído ensurdecedor, uma melodia, e alguns textos não são maus.

Anúncios




Shiva Ashtakam Mantra

2 06 2009
Loving Ganesha by Satguru Sivaya Subramuniyaswami

 


[…]

There are two basic kinds of mantras. One class is a very powerful set that causes immediate, direct changes to occur in the force fields around us, whether we know the meanings of the sounds or not. These mantras should only be used after initiation and proper instruction, because if they are mispronounced they can do us serious harm. […]

The second kind of mantras are either weaker, or the strong vibrations they produce cannot be distorted by misuse or mispronunciation. With this class of mantras, it is the power of our own minds concentrated upon the inner-plane being or concept that makes the mantra most beneficial. If we are not concentrated, still the energy of the mantra can evoke only one vibration or image. The majority of the Vedic mantras, all the names of the Gods and the Gayatris fall into this category. Most of the Vedic chants are simply short hymns and prayers, while the Sanskrit language itself causes positive, uplifting force fields that penetrate immediately into the inner realms.